logo

REVIEW – Game Of Thrones: 5X07 – The Gift

Após a tempestade polêmica, um marasmo preocupante. 

got_mp_091914_ep507-3273-e1432538425922Depois de muita polêmica e alterações do enredo original, voltamos para o que podemos considerar o pior episódio da temporada até agora. As saídas rápidas e convenientes com personagens nas horas e lugares certos, os cortes estranhos e sem conexões. Tudo contribuiu para um episódio que deixou a sensação de que as soluções para os problemas foram vomitadas no colo do espectador.

Quando escrevi que gostaria de ter mais assunto sobre Tyrion, não queria escrever sobre a compra do anão – que não foi realizada por um mercador de paus – e a forma que bateu em dos seus captores. Muito menos esperava que Jorah encontrasse com Daeny tão cedo. A presença da Rainha numa arena pequena foi uma saída do roteiro sem lógica alguma. A líder de Meereen se arrisca ir até um lugar cheio de guerreiros armados, controlados por mestres escravagistas que a odeiam? Podemos perceber que Sor Barristan realmente faz falta. Além disso, o que foi aquela desculpa de Hizdahr? Como assim é “costume” que a Rainha visite as arenas menores? Daenerys é a primeira Rainha de Meereen e antes dela a cidade era governada por um conselho das grandes famílias.

Enfim, a surpresa da Targaryen ao ver um Lannister em sua frente foi justa, afinal é a primeira vez que encontra um membro da família responsável pela queda do reino de seu pai. Como disse anteriormente, esperava que as interações entre Tyrion e a Rainha ficassem para a próxima temporada, mas parece que seremos agraciados por diálogos acalorados muito em breve.

Em tempo de bons diálogos, a conversa entre o Septão e Lady Olena foi o que salvou o episódio. Além de grandes atores, tivemos um ótimo desenvolvimento e argumentações sólidas entre o Alto Pardal e a Rainha dos Espinhos. De um lado o representante do povo, alguém que se cansou do sofrimento infligido nas classes mais pobres e usa a fé como arma contra a opressão. De outro lado uma senhora de família rica, educada para a alta sociedade e que possui ameaças que exaltam a importância dos Tyrell. Por mais áspera e inteligente que a Senhora Olena possa ser, o Pardal a calou.

Já na muralha, tivemos a cena de vergonha alheia da semana. Já sabemos que Sam não é um combatente. Sabemos também que existem patrulheiros que não cumprem seus votos. O que ninguém sabia era o que o Fantasma estava fazendo na cozinha de Castelo Negro. Na boa, faz a Goiva reagir e quebrar a cadeira na cabeça dos caras, faz o Sam ter um ataque e morder seu agressor, mas gastar a cota de efeitos para mostrar um Lobo Gigante, ignorado a temporada inteira, apenas para salvar o personagem na hora mais conveniente possível? Na boa, Game Of Thrones pode fazer melhor que isso.

Ainda no norte podemos dizer que Sansa continua a ser machucada pelo bastardo. As torturas psicológicas começaram e aquela personagem que desceu as escadas do Ninho da Águia toda segura de sua posição no jogo dos tronos foi completamente soterrada pelo sadismo do Bolton. A decisão de alterar o enredo de Sansa pode até ser aceitável, principalmente quando pensamos na quantidade de plots a serem desenvolvidos e a impossibilidade de inserir mais personagens. O que é complicado de aceitar é ver a personagem voltar a ser aquela mocinha que sofre na mão dos malvados. Todo mundo havia aceitado – e gostado – da nova Sansa, aquela que parte para a vingança. Qual a necessidade de submetê-la a uma nova sessão de tortura e a regressão de sua postura no cenário geral da narrativa?

A prisão de Cersei era uma das partes que eu mais esperava para esta temporada e, como havia previsto, Lancel, motivado por Lady Olena e Mindinho, foi o responsável pela denúncia da Rainha mãe à fé armada. Espero ser agraciado pelo talento de Lena Headey e estou curioso para ver o comportamento do Rei Tommen sem sua mãe e nas garras do pequeno conselho.

Com a proposta de queimar uma garotinha e apresentar o streaptease da Serpentinha – serpente de areia + novinha – ficamos com esse episódio onde o ponto positivo foi manterem Bron e finalizarem a canção que ele começou na semana passada. A fraca atuação da garota que faz Myrcella, e o distanciamento entre os personagens de Jaime e a princesa, causou um desconforto que serviu para taxar Dorne como o pior dos plots da temporada. Semana que vem espero ver a transformação de Arya e um pouco mais de Porto Real, além de acompanhar o Anão e a Rainha. A tensão tende a aumentar, afinal estamos próximos do season finale da temporada.


Gostou deste texto? Clique aqui e saiba como apoiar o nosso trabalho.



| Game Of Thrones, Review