logo

REVIEW – Game Of Thrones: 5X08 – Hardhome

A batalha pela redenção da quinta temporada. 

Game of Thrones - Hardhome

Depois de dois episódios que nos cozinharam em banho-maria e apostaram mais em polêmica do que no desenvolvimento do enredo, voltamos esta semana para quebrar o gelo que se acumulou em torno da caneta dos roteiristas de Game Of Thrones e fazer esse reviewer rir como criança enquanto pulava no sofá assistindo ‘Hardhome’.

Todas as sequências entre as cenas e os diálogos foram construídas para nos antecipar às perguntas óbvias. Quando Daenerys pergunta a Tyrion por que não mata-lo, por exemplo, ela está fazendo a mesma pergunta que o telespectador. Quando testemunhamos a invasão dos mortos em Durolar estamos presenciando a resposta do porque os Selvagens devem se unir à Patrulha da Noite. E mesmo tendo as respostas de forma fácil, e o raciocínio direcionado durante todo o episódio, pode se dizer que as sequências de ação e o clímax do combate compensaram as entregas fáceis. A ação era exatamente o que precisávamos para sacudir a temporada.

O Senhor Comandante da Patrulha da Noite estava certo ao dizer que os verdadeiros inimigos não são os selvagens. Foi conveniente para todos que o ataque tenha sido realizado justamente na hora em que a patrulha estava em Durolar? Sim, claro que foi. Mas quem liga para a conveniência de roteiro quando o desenvolvimento a seguir é uma das mais interessantes sequências de ação e efeitos especiais que a série já nos apresentou? Ri como um garoto, torci por Jon, antecipei seus movimentos e, antes mesmo de ver o Caminhante Branco despedaçado, gritei que o aço valiriano da Garra Longa seria capaz de parar a espada de gelo de seu inimigo. Ao final do episódio estava em êxtase, com cara de bobo e imaginando como tudo iria se resolver.

Temi que o guerreiro Thern estivesse criando uma oportunidade para matar Jon quando sugeriu que os dois buscassem o Vidro de Dragão, mas ao ver o White Walker dentro da cabana foi o que bastou para compreender que a liderança do lorde comandante seria testada perante os selvagens ao lutar com o seu inimigo em comum. A única coisa que me preocupa no plot da muralha é o pequeno Ollie. O rancor que o garoto guarda dos selvagens, e a desaprovação do plano de Jon, pode levá-lo a conspirar com Sor Allister e os opositores da mesma forma que ocorreu com o comandante anterior. Se seus patrulheiros não acreditarem nas necessidades do mundo dos homens, Jon Snow corre grande perigo.

É exatamente isso que esperamos de uma série. Enquanto pensava no que escrever, eu tentava definir o que é um bom episódio e cheguei à conclusão de que a cadência apresentada durante toda a temporada é extremamente importante para a resposta que o público terá nos capítulos individuais. Dessa forma, fico grato por Game Of Thromes ter apresentado dois péssimos episódios em sequência, para então nos presentear com uma grande reviravolta.

Nas terras quentes de Meereen, onde o inverno ainda não chegou, tivemos uma acalorada discussão entre o anão Lannister e a Rainha Targaryen. O que Tyrion não tem de estatura, tem de inteligência e, cá entre nós, é exatamente o que Daenerys precisa. Fiquei surpreso com a forma que ele salvou a vida de Sor Jorah e ao mesmo tempo conquistou a confiança da Rainha. Só não entendi o conselho para que ela desistisse de Westeros. É impossível não desejar que Daeny invada seu continente natal e quebre a roda.

O contraste entre o talento de Peter Dinklage e Emilia Clarke é nítido e chega a parecer que a intérprete de Daenerys está tensa ao contracenar com esse gigante da dramaturgia. No entanto, a interação entre os dois será recorrente agora e espero que a química entre eles aumente também, porque, mesmo vendo os dois na mesma sala, tive a impressão de que Tyrion estava em Porto Real e Daeny em Asshai. Torço para que o preferido do público encontre paz e propósito ao lado da Rainha. Seria piegas desejar a ele um grande amor também? Não sei. Só espero ver Peter sendo forçado a todo seu potencial e Tyrion levado ao que merece.

Falando em Porto Real, a tortura de Cersei continua e provavelmente veremos a Rainha mãe pagar por todos seus pecados até ser quebrada pela septã gigante. Enquanto ela sofre na cela, o Rei fica recluso em seu quarto e não quer ver ninguém. É claro que Kevan assumirá o controle do reino e corrigirá algumas das medidas da sobrinha enquanto ela decide se sacrifica o orgulho para poder salvar o filho da greve de fome ou se mantém firme em sua postura. Somente a misericórdia da Mãe pode salvar a leoa!

Num episódio que conhecemos Anne, a primeira persona de Arya em seu papel de assassina, e tivemos a confissão de Theon para Sansa de que os meninos mortos não são Bran e Rickon, podemos dizer que iniciamos o que aposto ser a sequência de episódios que salvará esta temporada. Aqui tivemos o início do despertar dos Stark e sua caminhada para o apogeu. Quero muito ver os Lobos Gigantes se vingando e sobretudo ter o retorno de Osha e do caçula dos Lobos com seu Cão Felpudo. Sempre apostei em Rickon como o mais selvagem dos irmãos, assim como seu lobo, e creio em seu retorno como um destemido guerreiro forjado pelos selvagens além da muralha. Se minhas teorias estiverem certas, seguiremos com um grande episódio que apresentará a abertura das arenas de Meereen, a conversa entre Jaime e Doran, e a quebra de Cersei, para então sermos presenteados com um cliffhanger de explodir cabeças que nos deixará loucos até o ano que vem. Que venha então a redenção da quinta temporada.

Ps1: O gigante Wun Wun, lutando entre selvagens e patrulheiros, é um deleite para qualquer fã de fantasia. Quero ver como os demais patrulheiros irão encará-lo em Castelo Negro.

Ps2: A investida de Ramsey tem tudo para dar errado. Gostaria de ver o sádico preso e queimado na fogueira por Melissandre. Espero que as chamas revelem à sacerdotisa esse ataque e que isso dê vantagem a Stannis na tomada de Winterfell.


Gostou deste texto? Clique aqui e saiba como apoiar o nosso trabalho.



| Game Of Thrones, Review