logo

REVIEW – Game Of Thrones: 5X09 – The Dance of Dragons

Quando as crianças da Harpia decidem brincar com o primogênito de Daenerys.

0x600-900x507

Todo penúltimo episódio de uma temporada de Game of Thrones tem fama de ser o melhor do ano. Não posso afirmar isso para a quinta temporada, principalmente após Hardhome, mas podemos dizer que o show manteve o nível e nos entregou um belo espetáculo.

Finalmente o encontro de Daenerys e Drogon aconteceu. O filho preferido da “nascida da tormenta” voltou para socorrer sua matriarca e gastar a cota dos efeitos especiais da HBO. Gostei bastante do que foi apresentado, principalmente da forma que o Dragão equilibrou um pouco as coisas entre os defensores da rainha e os Filhos da Harpia. Só não entendi porque os revoltados continuaram lutando mesmo quando estavam sendo queimados e despedaçados. Drogon matou muitos, mas não impôs medo em todos.

Diferente do que foi apresentado nos livros, o Dragão não evitou Daenerys, mas, pelo contrário, reagiu a um chamado de sua Mãe e depois a reconheceu pelo cheiro. Quando a Rainha se aproxima do monstro, tive a impressão de que o escamoso sorriu pra ela – oi mamãe – antes de se irritar novamente com as estocadas das lanças dos inimigos. Ele ainda não reagiu quando a Targaryen invocou a memória de seus ancestrais e resolveu montá-lo. E aqui encontramos a principal diferença dos livros. Na obra original, Daeny precisa bancar a domadora. Drogon não a obedece apenas com comandos, ela precisa de um chicote e com isso impressiona ainda mais o povo de Meereen. Na série, preferiram um Dragão mais colaborativo e que entende valiriano. Ok. Veremos onde isso nos levará.

É claro que a cena da arena empolgou os fãs dos livros e era algo que esperávamos desde que a quinta temporada começou a mostrar os primeiros vídeos promocionais, porém, tivemos algo nesse episódio que deixou um péssimo gosto na boca. O sacrifício de Shireen ficará na memória como um dos mais cruéis assassinatos de Game Of Thrones e se tornou algo completamente dispensável na composição narrativa da trama. Algo que, apesar de justificável através da obsessão de Stannis pelo trono de ferro e da influência de Melissandre sob o rei de direito, foi construído apenas para chocar.

A valorização da personagem através de sua passagem pela muralha, e a forma gentil de lidar com todos a sua volta, criou empatia com o público. Shireen era alguém que gostaríamos de ter como amiga, protegê-la, alguém que convivia com o rancor da mãe, um sentimento proveniente de suas frustrações pessoais direcionadas para a filha, e mesmo assim lidava bem com a frieza do pai. Sua relação de amor fraternal com Sor Davos e a posição prestativa com o pai só aumentava a meiguice da menina. Queimá-la, uma garota que só conheceu o sofrimento e que lutou desde seus primeiros dias contra o escamagris, para atingir objetivos não é aceitar seu destino, como foi dito no diálogo com a garota. É jogar sujo e burlar as regras naturais. E apesar de Stannis ter a fama de um líder justo e se embasar em princípios moralmente corretos para o cenário de série, ele é somente mais um hipócrita que molda suas escolhas de acordo com a conveniência. Desculpem, mas não consigo entender como a morte da própria filha seria justificada pela “justiça” em alcançar o trono de ferro. Ele preferiu acatar a crueldade ao assumir o erro estratégico. A princesa pela humilhação.

Não acredito que essa passagem seja spoiler dos livros. Primeiro porque, nos livros, a Rainha Selise, Shireen e Melissandre estão na muralha enquanto o exercito de Stannis está preso a caminho de Winterffel e o sacrifício da princesa não chega a ser sugerido pela sacerdotisa. E segundo porque buscá-la seria impossível na situaçã de Stannis. Pode ser que George Martin tenha pensado algo assim para o futuro da narrativa, mas não creio que seria ao desenrolar do cerco no norte.

Só posso dizer que ninguém torce por aquele que sacrifica garotinhas e Stannis foi “queimado pelos roteiristas”. Pelas demonstrações que tivemos do poder do Deus do Fogo, provavelmente o Rei de direito conseguirá atacar os Bolton. Torço para que a previsão de Mindinho se concretize e eles se matem, para então Brienne resgatar Sansa e ambas partirem em busca de Rickon.

Em Dorne, tivemos a conclusão mais sem graça de todas. Entendo que as pressuposições de Cersei apontavam Doran como uma ameaça, porém nenhuma resolução diplomática havia sido tentada. Uma simples carta para o governante teria sido suficiente para que ele escoltasse Myrcella de volta para Porto Real. No entanto, não teríamos tido a interação de Jaime com o povo Dornês e nem a introdução das Serpentes de Areia. Agora o regicida voltará com Trystane, que irá compor o pequeno conselho, e sua filha. Sinceramente, não consigo ver onde isso poderá afetar o jogo dos tronos.

Já Arya burlou sua responsabilidade com o Deus de muitas faces e deu asas para sua vingança pessoal. Sor Meryn é um dos nomes em suas orações e está ao alcance de seus dedos. Não bastasse o cavaleiro da guarda real ser o cara que batia em Sansa e o covarde que matou Sírio Florel, ele ainda é um pedófilo nojento. A forma que o roteiro nos faz desejar que a vingança de Arya seja bem sucedida pode ser um deleite para a satisfação do público ou uma grande armadilha, visto que se prender a suas próprias escolhas impede que se torne “uma menina” e a mantém como uma Stark.

Não faz muito tempo que o próprio Tio Martin divulgou um point-of-view de Arya no livro “Ventos do Inverno”. Se a conclusão do plot da Stark se der com base nesse capítulo, ainda não lançado, então teremos uma possível confirmação de spoilers do novo livro dentro de Game Of Thrones.

Enquanto Jon Snow precisa lidar com seus patrulheiros descontentes, avançamos na temporada para o último episódio. A misericórdia da Mãe trará a conclusão dos plots de Cersei, Arya, Stannis e Daenerys. Provavelmente teremos cliffhangers por todas as partes, só nos resta esperar para ver se farão jus aos dois últimos episódios apresentados e torcer que Drogon não leve Daenerys para muito longe.

Ps1: Tyrion sendo aquele que conhecemos. Seu diálogo no camarote da rainha foi incrível.

Ps2: Coloquem uma letra A após o S de Stannis e vejam quem verdadeiramente é esse cara.

Ps3: Os imaculados provam mais uma vez que são ótimos soldados em batalha, mas péssimos lutadores em um pra um.

Ps4: Qual será a reação de Sor Davos após saber o que o Rei fez? Acredito que ele matará a Sacerdotisa Vermelha.


Gostou deste texto? Clique aqui e saiba como apoiar o nosso trabalho.



| Game Of Thrones, Review