logo

RuPaul’s Drag Race – 8X04: New Wave Queens

No quarto episódio da temporada, uma pergunta surge: seria a drag, ironicamente, um “esporte” de elite?

michelle_visage_rupauls_drag_race_new_wave_queens

Vou contar uma historinha rápida para vocês. Eu trabalho num teatro, aqui na cidadezinha de interior onde vivo, e há alguns anos recebemos no nosso palco um evento pré-parada gay. A função era informar à comunidade LGBT da região os progressos feitos com relação a questões civis. Entre um discurso e outro, algumas drags se apresentavam em lipsyncs para delírio da plateia. O fato é que somos uma cidade do interior e obviamente que isso implica em limites inevitáveis para quem vive apenas nesse eixo. Infelizmente, praticamente todas as meninas que se apresentaram foram alvos de risos, e não de admiração, por conta de erros primários provenientes da falta de experiência ou de orçamento. A única exceção foi uma personificadora de Lady Gaga que, com um look PERFEITO, deixou a plateia muda.

Mais de uma vez, ouvimos as participantes de RuPaul’s Drag Race dizerem umas para as outras que drag é um esporte muito caro e precisamos admitir, sem condescendência, que existe um fator de glamour que lapida a experiência. Pouquíssimas vezes na história do programa nós vimos meninas sem muito orçamento chegarem perto da final e, para ser muito sincero, só consigo mesmo me lembrar de Adore Delano e Tyra. É sabido que antes de entrar elas já sabem alguns dos temas de passarela e por isso precisam levar looks que se adequem a eles. Uma roupa muito elaborada pode impressionar e salvar uma performance medíocre. Mas, como se faz quando só existe a gana e não a grana?

New Wave Queens foi outro esplêndido episódio dessa oitava temporada de Rupaul’s Drag Race que, mesmo esmagadinho nos terríveis 41 minutos, cresceu e nos ofereceu o que de melhor esse programa tem. Foi a hora de falar sobre criatividade, sobre essa espécie de entidade que apenas algumas meninas possuem e que é tão importante para a vitória. De fato, ter tudo, menos criatividade, não faz uma vencedora. Mas, não ter nada, somente a criatividade, pode construir uma. Foi a hora de falar de dinheiro, de como expressar-se artisticamente pode acabar sendo muito menos acessível do que se imagina. Se cultura é um bem de consumo, fazê-la sem poderio monetário pode ser para muito poucos. 

Com o tempo apertado, não deu para fazer mini-desafio e Ru já foi logo dizendo que as meninas precisariam montar três bandas para cantar ao vivo no estilo New Wave. Os problemas começaram quando ela permitiu que as meninas formassem seus grupos por si mesmas.

Claro que as bitches de Nova York se uniram, assim como as “melhores amigas” da temporada (Kim, Naomi e Robbie). Sobraram Derrick, Chi Chi e Naysha, que não tem nada em comum e sofrem de limitações claras: Derrick ainda está em conflito, Naysha é uma pageant queen sem expressividade e Chi Chi está a cada minuto se sentindo mais intimidada pela “riqueza” das outras.

Assim que Ru diz que a categoria de passarela será Neon, Chi Chi começa sua jornada de própria aniquilação. Ela já sabe que usou o look trazido para o desfile do referido tema no episódio anterior. Então, a partir disso, ela só vai deixando sua confiança descer ladeira abaixo. Já na escolha dos estilos musicais, Chi Chi fica hesitante, atrapalha o grupo e as meninas de New York devoram-no. Bob, Acid e Thorgy são como trituradoras da confiança alheia e sugam as energias de todas em volta. Bob, inclusive, ofereceu o que tinha de pior nesse episódio: arrogância, teimosia, indisciplina… E se não fosse por seu imenso carisma, teria dado muitos passos para trás na competição.

Na hora de escolher o que usar na apresentação, Chi Chi fez o que devia fazer sempre, que era tentar criar algo do nada. Ela tinha um conceito, mas a inexperiência criativa de Derrick e Naysha estavam no comando. Vejam bem, eu adoro Derrick, mas não se pode dizer que originalidade seja a palavra de ordem de alguém que ganha a vida imitando outra pessoa. O mesmo para Naysha, que repete seguidamente uma fórmula de beleza e comportamento que é necessária para se continuar ganhando concursos. Chi Chi era a voz criativa ali, mas ela já estava prostrada, aflita com a realidade de que sua “pobreza” começara a aparecer mais do que ela esperava.

Nos ensaios, Lucian Piane (em sua irresistível versão grisalha) sofreu com a insistência de Derrick em cantar (para mostrar a alma) e com a teimosia idiota de Bob, que ao invés de descontar sua frustração em Thorgy (que era quem tinha provocado-a), resolveu questionar as dicas do mentor sem a menor cerimônia. Isso já aconteceu antes, mas nunca naquela proporção tão grande. Inteligente como é, Bob já sabia que estava num abismo de mau comportamento. Mas, isso não ajudou a melhorar o quadro geral.

Seguindo tranquilo mesmo, só mesmo o grupo das “amiguinhas” formado por Kim, Naomi e Robbie, que passou incólume pelo episódio e ainda resultou na vitória dessa última.

A apresentação das meninas de Nova York salvou-se e Bob estava realmente se redimindo com uma performance marcante. Já o grupo de Chi Chi era uma bagunça. Derrick e Naysha recusaram as ideias de Chi Chi, mas foram apáticas na performance. Chi Chi, mesmo afetada, esforçou-se e se destacou. Acabou indo para o bottom por causa da razão de sua insegurança: o look. Encontrar Naysha nele só confirmou a metáfora que rondou todo esse episódio: o dinheiro que fez o look de Naysha, não paga o talento que salvou Chi Chi.

Foi um lipsync estranho, como já foi o confronto entre Chi Chi e seu grupo nas críticas dos jurados. Ela falou de suas preocupações com dinheiro, parecia agressiva, recebeu de volta algumas colocações realmente boas de Michelle e foi pro lipsync com vontade de ficar. Inicialmente, ela só ia dublar, mas Naysha começou a fazer piruetas e, ameaçada por isso, ela começou também. Acabou virando uma daquelas batalhas que eu não gosto, que mais se assemelham a um ensaio de ginástica olímpica. Chi Chi ficou porque tinha um pouco mais de carisma e sensualidade para mostrar, além dos saltos e cambalhotas. Com isso, Naysha manteve viva a maldição da menina eliminada que retorna e é eliminada de novo no episódio de retorno ou no seguinte.

NOTA DO UNTUCKED: O Untucked começou fraquinho, com o grupo vencedor recebendo a visita de Debbie Harry ao backstage, para parabenizar Robbie pelo aniversário que nem sabíamos que ela fazia. Então, na volta das meninas do palco, Naysha e Chi Chi foram lavar a roupa suja por conta do confronto sobre o figurino da apresentação. Foi tudo elegante e contido, mas era notório como Chi Chi estava abalada.

Thorgy mencionou a conversa de Michelle e Ru com Chi Chi e tivemos mais uma prova de como a edição de 41 minutos deixa coisas boas de fora. Ru afirmou que no ateliê há muito tecido e máquinas de costura e que elas podem trabalhar pelo que não puderam levar pro show. Além disso, Michelle sugere que ela peça coisas emprestadas e isso de súbito parece fazer acordar alguma coisa em Chi Chi (não pude não me lembrar de Bianca sendo adorável ao ajudar tanto Adore e Trinity). O recado que ela ouve da mãe também ajuda a reconfigurar a forma como ela vê a competição e a relação com as outras. “De onde eu venho ninguém tem sucesso” é a frase dita por Chi Chi que parece resumir tudo… E isso afeta todas as outras. É uma coisa bonita de se ver, porque ao arrumar a bagagem para ir embora, Naysha pensa em tudo que aconteceu e deixa para a colega duas das peças do próprio guarda-roupa. Impossível não se comover… “Só tem uma pessoa na vida dela que a apoia e é a própria mãe”. Considerando isso, porque não ajudar um pouco? A mágica de RuPaul’s Drag Race já está feita e temos na edição um grupo impressionante de garotas. Foi um Untucked de fazer chorar e eu não poderia estar mais orgulhoso.

Semana que vem teremos o esperado Snatch Game, quando Derrick Barry terá chances de mostrar todo o seu trabalho. Há um rumor pesado acerca desse quinto episódio e teremos a chance de ver se ele é mesmo real ou apenas um boato. A verdade é que sabemos como essa temporada está maravilhosa, porque já começamos a sofrer com toda e qualquer eliminação. Há tantas participantes especiais que prevejo lástimas e emoções muito fortes vindo logo adiante. Já são quatro episódios deliciosos, o que mais a gente pode pedir? Uma temporada atrás da outra seria muito bom…

New Wave Queens acabou soando como um título auto explicativo dentro desse momento da Drag Race. Que a sétima temporada, cheia de sua superficialidade, fique para trás… Essa é uma nova onda para o show. Com esse episódio tão bem organizado em torno da criatividade, declaramos nosso amor eterno e nossa presença religiosa na próxima delícia da semana que vem. Esperamos vocês.

Untucking:

Derrick ainda não entendeu patavinas do que Michelle quis dizer sobre “mostrar a alma”. Mas, as perucas dela continuam ótimas.

  • Thorgy irritou com sua racionalidade excessiva, mas tinha razão sobre Bob ter usado uma fantasia de Halloween no desfile dos patins.
  • Os looks de Kim Chi e Betty eram IMPRESSIONANTES.
  • Será que Lorde viu esse episódio?
  • Mama Ru entrando de calças GAVE ME LIFE!!


gostoudotexto



| Review, Rupaul's Drag Race

  • Jeferson Huffermann

    Minha Deusa que episódio e review ótimos!

    Curti demais a anarquia, o neon (acrescentaria o look da Robbie aos impressionantes, Maria Antonieta neon é um conceito bafo), até mesmo a parte vocal, que até então só o Rusical salvava. Curti também o veiozinho da Blondie, melhor jurado que aquela dupla que substituiu o Santino.

    Uma das coisas que faz com que goste tanto do programa é Ru valorizar o talento frente aos outros critérios dele, e essa discussão fez o episódio melhor ainda.

    p.s: A Jinkx também não tinha muitos recursos eu acho (ou era só roupa feia mesmo) e a Phi Phi e Roxxy usavam bastante criação própria, que trouxeram de casa ou fizeram no programa.

  • Lalo B.

    Conta pra nós, qual o rumor pesado acerca do quinto episódio?

    Uma correção: no quinto parágrafo, onde está escrito “(…) Sobraram Derrick, Thorgy e Naysha, que não tem nada em comum e sofrem de limitações claras”, acho que vc quis dizer Derrick, Chi Chi e Naysha.

    Parabéns pelos textos. Abraços.

  • Lalo B.

    Conta pra nós, qual o rumor pesado acerca do quinto episódio?

    Uma correção: no quinto parágrafo, onde está escrito “(…) Sobraram Derrick, Thorgy e Naysha, que não tem nada em comum e sofrem de limitações claras”, acho que vc quis dizer Derrick, Chi Chi e Naysha.

    Parabéns pelos textos. Abraços.

  • Dave

    Phi Phi O’hara também não tem ou não gasta muito dinheiro no drag dela. Frequentemente ela posta o que gastou pro look do 365 days od Drag e muitos são coisas baratas. Inclusive, ela disse no twitter que ficou com a peruca que a Kenya Michaels jogou fora quando foi eliminada porque ela já tinha usado quase todas perucas que ela tinha.