logo

Saiba o que aconteceu no festival de curtas e Winterthur, na Suiça

Internationale Kurzfilmtage Winterthur (IKFTW), o festival internacional de curtas

O festival internacional de curtas de Winterthur celebra 20 anos de existência, se consolida como um festival mundialmente conhecido e apresenta um programa ambicioso de curta-metragens. Neste ano, o festival que aconteceu de 08 a 14 de novembro, trouxe duas mostras competitivas, a de curtas internacionais e a de melhor curta suíço, além da mostra Países Nórdicos com uma curadoria excepcional de filmes produzidos na Dinamarca, Suécia, Noruega, Islândia e Finlândia. O objetivo é descobrir como é a vida dos nórdicos, seu humor e o que tem sido produzido em curta-metragens. Também é fato que todo festival que se preze tem um homenageado, convidado de honra ou uma retrospectiva sobre alguém que tem um trabalho que contribui com o fazer cinema e o IKFTW faz bonito – a mostra Pessoa em Foco exibe o trabalho da portuguesa filmmaker e artista Salomé Lamas. Ainda no programa País em Foco são exibidos filmes curtos da Colômbia, e para agradar todos públicos, é possível assistir as mostras curatoriais Suíça histórica, Limite e Hiperlink e O  Jazz de antigamente. E, claro, Curta para o pequenos e jovens para a faixa etária de 6 a 12 anos. Um dos momentos mais esperados foi o CinéConcert: fascination ferrique, onde foram exibidas projeções de relíquias do cinema com o acompanhamento do Colégio Musical de Winterthur – um dos mais antigos da Europa com regência de Reto Parolari.

Visita ao festival

Ir ao cinema é sempre uma felicidade – quando o filme é bom, claro. Um festival de curtas exige muito mais paciência, concentração e esforço intelectual do  espectador. Em um período de 60 a 90 minutos são exibidos de 4 a 6 ou até 7 filmes. Aos quais é preciso ajustar o concentração na narrativa, na fotografia, na estética e nos diversos fatores que compõem o historia. Após o término de um filme, começa o outro e o outro e, assim sucessivamente. Em um festival de longas, se o filme não agrada é possível sair da sessão, mas em um festival de curtas é preciso aguentar firme na poltrona e torcer para que o próximo filme atenda as expectativas.

O festival tem um programa que agrada não só aos olhos, mas também aos ouvidos. De 9 a 12 de novembro, das 18:30 às 19:00, foi possível assistir as entrevistas feitas ao vivo com filmmakers no restaurante vegetariano Tibits. Estas entrevistas foram transmitidas pela rádio Stadtfilter e no bar-lounge do Festival, localizado no Cassino Winterthur, todas as noites um DJ tocou e fez o público esquecer das baixas temperaturas do lado de fora.

captura-de-tela-2016-12-08-as-01-10-52

© Susanne Hefti/ IKFTW

Para os que querem conhecer Winterthur e um pouco mais sobre a existência do IKFTW, que nasceu no dia 14 de novembro de 1997, é feito um tour, todos os dias às 10:00, pelo centro histórico da cidade, passando pelo Alte Kaserne, local onde aconteceu a primeira edição do festival e o seus pouco mais de 750 visitantes.

Em 2016 foram exibidos 14 filmes na mostra competitiva suíça, 40 filmes na competição internacional, 11 filmes na competição filmes de estudantes e 172 filmes nas mostras com curadoria que somam um total de 237 filmes. Por isso, decidimos assistir alguns filmes que teriam exibições no mesmo prédio para evitar deslocamentos, atrasos e, consequentemente, a perda da sessão. Além disso, optamos pelos filmes nórdicos, por causa das diversas diferenças culturais que nos separam do frio hemisfério norte.

Alguns do filmes que assistimos no festival:

 

Mother knows best, Suécia

Mãe faz alguns comentários depois de conhecer o namorado do filho adolescente e é dentro do carro que a comédia se desenvolve. Os diálogos são rápidos e consistentes, o que garante ao filme riso e dramaticidade.

 

A simpler Life, Suécia –

Um casal de meia idade tenta resolver os afazeres domésticos da maneira mais eficaz e com menor esforço possível.

 

Whaterverest – filme completo

Kristoffer Borgli, 2012, Noruega

Marius Solem é um aficionado por música e faz upload de instrução para  a  produção de drogas legais no YouTube. Em conexão com música, Marius Solem Johansen faz upload no YouTube de instruções para a produção de drogas. Ele dança sob o efeito de algumas dessas drogas em busca de algo que ele mesmo não sabe o que é. O filme tem música de Tood Terje, compositor do youtube-hit Inspector Norse.

 

Ja vi elsker / Yes We Love

Hallvar Witzø, 2014, Noruega

Quatro pessoas, de idades diferentes e em lugares diferentes, estão em crise no feriado de Independência da Noruega. Um menino que não suporta a ideia de ter de marchar com os colegas, um herói de guerra que se recusa a ouvir o discurso de Independência, uma garota que não aceita o desinteresse do possível namorado e um homem que se tranca do lado de fora de uma cabana na gelada Svalbard.

 

Heavy Head

Helena Frank, 2010, Dinamarca

Monika leva uma vida solitária em seu apartamento, entre o som da torneira que goteja durante todo dia e a sedução de um mosquito. Sua rotina muda com a entrada de um desconhecido em seu apartamento.

 

Abba World, – filme completo

Jonas Åkerlund, 2013, Suécia

Colagens de concertos, gravações e viagens do grupo Abba.

 

1994 – filme completo

Kaveh Tehrani, 2010, Noruega

Uma família iraniana chega, em meados de 1990, na Noruega e é muito bem recebida pela população durante a preparação para os jogos olímpicos de inverno de 1994. Após o término dos jogos, a população não aparenta ser tão amigável como antes.

 

Hätäkutsu / Emergency Calls

Pekka Veikkolainen, 2013, Finlândia

O filme expõe as fragilidades humanas através de gravações e oportunidades de vivenciar situações difíceis e obscuras do mundo ao nosso redor. Filme baseado em ligações reais e transmissões de rádio.

 

Miten marjoja poimitaan / How to Pick Berries

Elina Talvensaari, 2010, Finlândia

Um olhar sobre identidade em meio à globalização. Visitantes/imigrantes chegam no norte da Finlâdia e sua presença confunde os moradores da região.

 

Wrestling

Grimur Hakonarson, 2007, Islândia

 


Dois homens fogem de suas rotinas de trabalho, através de competições do popular esporte wrestling, até descobrirem o amor que sentem um pelo outro.

 

CinéConcert: A magia do cinema

Um dos pontos mais esperados, e com certeza uma celebração ao cinema, foi o CinéConcert: Fascination ferrique que balançou e aqueceu o coração dos espectadores. No início da apresentação, o especialista em História da Música de Entretenimento e maestro, Reto Parolari, explicou que não usariam nenhuma gravação para fazer o som de trens ou de alavancas, mas que toda a música e sonoplastia seria feita por membros da Orquestra do Musikkollegium de Wintherthur, a mais antiga da Suíça, fundada em 1875. Dentre as projeções estavam relíquias como L’arrivée d’un train à la gare de la Ciotat, de Louis Lumière de 1897, França e  Abreise der italienischen Arbeiter in die Ferien, Bahnhof Biel,  de William Piaso de 1860, Suíça. O efeito das projeções, somado ao desempenho de Parolari junto à orquestra, agradou tanto o público que, antes mesmo do término da exibição, os aplausos foram constantes. Foi sublime ver o contentamento da platéia que se levantou para aplaudir no final, prática incomum na Suíça.

 

Vencedores do IKFTW 2016

Premiação para filme internacional e suíço:

  • Grande Prêmio Internacional para curta na mostra competição, CHF 12’000: A Man Returned,Inglaterra, Holanda, Libano, Dinamarca, direção Mahdi Fleifel;
  • Prêmio Promocional International Competição,  CHF 10’000: NO’I, Bélgica, Vietnam, 2016 para Aline Magrez;
  • Prêmio de Melhor Filme Suíço, CHF 10’000: E.B.C 5300m, 2015, para Léonard Kohli;
  • Melhor Câmera Suíço,  CHF 11’500: Laurence Bonvin pelo trabalho de câmera desenvolvido para o filme de sua direção Avant l’envol, 2016;
  • Melhor filme eleito pelo público, CHF 10’000: Digital Immigrants, Suiça, 2016;

Fora de competição

  • Prêmio Juventude, CHF 500 : Mother Knows Best, Suécia, 2016, Mikael Bundsen

 

captura-de-tela-2016-12-08-as-01-14-41

© Susanne Hefti/ IKFTW CinéConcert


gostoudotexto



| Análise